terça-feira, 21 de junho de 2011

A Fé Sempre-viva

Cantos da Mata Atlantica



Você já andou pelo mato 
                                                  Pisou em espinhos
 Pegou carrapato 
Errou de caminho? Não?
 Então vá Porque minha cantiga
Te espera por lá.

"Cantos da Mata Atlântica" é um maravilhoso trabalho produzido pelo poeta e compositor Luís Perequê e conta com participação dos cantores e músicos Dércio Marques, Doroty Marques e Daniela Lasalvia.
Um álbum obrigatório para nossas crianças e para todos que se preocupam com a natureza e com a formação do consciência ecológica das pessoas. 
Ouça e divulgue !


Vamos dizer não a Belo Monte ! Caminhada em Salvador

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Pensar em você: Chico César e a homenagem ao acampamento Dom Hélder Câmara

"As boas razões do socialismo a partir da moderna cosmologia" parte 2

Leonardo Boff


4. Se não socializarmos não sobreviveremos

O terceiro argumento em favor de uma opção sócio-política socialista nos vem da reflexão ecológica. Ela hoje ganhou dimensões globais. Todos os relatórios sérios sobre o estado da Terra nos alarmam: a seguir a lógica depredadora e consumista do sistema do capital vamos ao encontro do pior, vamos ao encontro da não sustentabilidade de nosso projeto civilizatório e de um estresse fantástico da biosfera, com a provável dizimação de incontáveis espécies e seus representantes. Não é impossível que a própria espécie homo sapiens e demens seja poderosamente ameaçada.

O que se constata de forma irrefutável é que os recursos do sistema-Terra são limitados e em alguns casos extremamente escassos. Nem falo do petróleo, sangue da máquina produtivista mundial, mas de algo mais fundamental para todo o sistema da vida e da comunidade-de-vida: a água potável.

De toda a água do planeta (2/3 são compostos por água) apenas 3% é constituído por água doce. Destes 3% menos de 1% é acessível ao uso humano, pois o restante está em geleiras ou em regiões profundas da Terra. Devido ao consumo irresponsável de água doce no processo produtivo, na agroindústria e com maciça utilização de tóxicos e pesticidas, a água não tem tempo de refazer seus nutrientes e se torna salobra.

A ONU em sucessivas reuniões mundiais de estudo e de busca de soluções globais alertou para o risco que enfrentamos imediatamente. Segundo os mais recentes relatórios (o último de Haia de março-abril de 2000) nos próximos anos haverá guerras de grande devastação em várias regiões do mundo para garantir acesso à fonte de água potável. Mais que o petróleo, o urânio e outros materiais, é a água o bem mais escasso da natureza. Quem controlar as águas controlará os recursos da vida, pois a água está intimamente ligada à vida em toda as suas formas.

Bem como a água, outros recursos energéticos são fundamentais para garantir um futuro de vida para todos os humanos e outros seres da comunidade de vida. Todos os bens necessários à vida pertencem ao patrimônio da biosfera e ao patrimônio comum da humanidade.

Pajerama


"As boas razões do socialismo a partir da moderna cosmologia" parte 1

Leonardo Boff


Para esse debate sobre o socialismo tomo a liberdade de trazer uma reflexão, nascida dos meus estudos e preocupações dos últimos anos. Tenho feito um esforço considerável de tentar levar avante o discurso da Teologia da Libertação abrindo-a para outros campos da luta popular e da reflexão
.
1. O grito dos pobres e o grito da Terra


 Hoje não basta só ouvir o ‘grito dos pobres’. Na escuta desse grito nasceu nos anos sessenta, a Teologia da Libertação nos vários países da América Latina e em outros contextos mundiais de pobreza e injustiça. Não só os pobres gritam. A Terra também grita. As águas gritam. Os ecossistemas gritam. Porque são igualmente vítimas da mesma lógica do sistema do capital que explora as classes, os países, as nações e termina por devastar sistematicamente a inteira Natureza.



Estou profundamente convencido de que Teologia da Libertação só pode ser integral se incorporar dentro do seu discurso e de sua prática o resgate da Terra, que finalmente é o resgate da vida. Porque a Terra não é um planeta inerte. Não é um baú de recursos incalculáveis, mas finitos, como toda a modernidade técnico-científica a reduziu. A Terra é um organismo vivo, é a Pacha Mama de nossos indígenas, a Gaia dos cosmólogos contemporâneos. Numa perspectiva evolucionária, nós seres humanos, nascidos do húmus, somos a própria Terra que chegou a sentir, a pensar, a amar, a venerar e hoje a se alarmar. Terra e ser humano somos uma única realidade complexa, como bem o viram os astronautas lá da lua ou das suas naves espaciais.
A partir desta visão pude aprofundar algumas perspectivas, que gostaria aqui de, sucintamente, apresentar, como uma entre outras fontes de argumentação em favor do projeto socialista. O socialismo, tomado em sua intuição básica, representa a salvação da vida, do Planeta e do projeto planetário da espécie humana

° Encontro Pan-Americano sobre Manejo Agroecológico de Pastagens.PRV nas Américas

O PRV (Pastoreio Racional Voisin) tem sido a base material para a produção bovina sustentável, e tem experiências de sucesso em toda a América. Da Patagônia ao Canadá, passando pelos trópicos, há experiências exitosas de PRV com bovinos de leite e corte, búfalos e ovinos. No Encontro de PRV estaremos assistindo relatos de diversas experiências, bem como resultados de pesquisas na área.
 O Encontro se realizará de 29 de setembro a 01 de outubro de 2011, na cidade de Chapecó-SC e também está aberto a receber trabalhos de pesquisa e relatos de experiência até 25 de julho.


Veja a programação também no site do Núcleo de PRV-UFSC:

III SEMINÁRIO E FEIRA DE ECONOMIA SOLIDÁRIA





O Fórum Regional Centro/Norte de Economia Solidária convida para o  III SEMINÁRIO E FEIRA DE ECONOMIA SOLIDÁRIA da Região Centro/Norte do estado do Tocantins que acontecerá  na cidade de  Couto de Magalhães nos dias  23,  24 e  25 de Junho de 2011, com o seguinte tema: “Em busca de um mundo mais justo, solidário e sustentável ”.

Observações:
O local de chegada é  no Escritório da COOPTER ou na Escola Municipal Cordulina Costa Rego;

 A hospedagem será em ambientes coletivos, e por esta razão os participantes deverão trazer colchonetes, roupas de cama e utensílios de uso pessoal;


 O translado dos participantes para o município do evento será custeado pelo município de origem; e é importante que os participantes tragam seus produtos para exposição na feira de comercialização.

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Consciente Coletivo

Outro trabalhador é assassinado no Pará

Obede Loyla Souza foi assassinado próximo à sua residência no Acampamento Esperança, município de Pacajá, no Pará. Obede havia denunciado e discutido com um grupo que extraía madeira ilegalmente na região.

No dia 09/06/2011, por volta do meio dia, foi assassinado no Acampamento Esperança, município de Pacajá, Pará, o trabalhador rural OBEDE LOYLA SOUZA, 31 anos, casado, pai de três filhos, todos menores.   

Ao que tudo indica, Obede foi executado com um tiro de espingarda dentro do ouvido, a 500 metros de sua casa.

Seu corpo foi encontrado somente no sábado, dia 11, por volta das 14h, e levado para a cidade de Tucuruí, onde foi registrado o Boletim de Ocorrência Policial.

Após seu corpo ter sido liberado para o sepultamento, já no cemitério, a Força Nacional chegou à região, suspendeu o enterro e levou o corpo para Belém para perícia. Na madrugada de hoje, 14 de junho, o corpo chegou de volta a Tucuruí, para sepultamento.

A história das Coisas

terça-feira, 14 de junho de 2011

Tecnologia Africana na Formação Brasileira


"A série Cadernos CEAP, que faz parte do Projeto Camélia da Liberdade, busca a cada edição dar contribuições inovadoras que possibilitem a consolidação da Lei nü 10.639/03, que estabelece a obrigatoriedade do ensino da História da África e da História e Cultura Afro-brasileira nas escolas das redes pública e privada do país.
Os cadernos servem de apoio aos professores, aos alunos da rede pública e privada de ensino, além de universitários, movimentos sociais, grupos do movimento negro, e a todos aqueles que têm compromisso com a construção de uma sociedade que prime pelo respeito à diversidade, que reconheçam os valores e as contribuições dos afrodescendentes na vida social do país."

Sandália em couro sudanesa, fabricada na região de Kano. Mercadorias desse tipo eram exportadas em grandes quantidades para a África do Norte

O caderno que trata da tecnologia africana na formação brasileira, foi elaborado pelo professor Henrique Cunha JR., Titular da Universidade Federal do Ceará e do Programa de Pós-graduação em Educação Brasileira. Membro Fundador da Associação Brasileira de Pesquisadores Negros e do Instituto de Pesquisa da Afrodescendência (IPAD). 


Uma importante dica da nossa companheira Elaine Martins, coordenadora da OCA. Vamos divulgar esta publicação que desmitifica o eurocentrismo e nos ajuda a compreender a verdadeira contribuição dos povos africanos para a formação do nosso país.

Meio ambiente, consumo e lixo eletrônico: antes que a Terra vire uma “e-mundície”

Por Antonio Carlos Teixeira,  jornalista e consultor de comunicação, meio ambiente e sustentabilidade



“Pedi para os meus pais um I Pod Touch e um Blackberry porque todo mundo que eu conheço tem. Ganhei os dois. O Blackberry não durou muito: quebrou. Mas eu já ganhei outro…”


A frase, dita por uma adolescente brasileira, revela o quanto ainda precisamos avançar na conscientização socioambiental não apenas entre os jovens do país, mas também entre pais, adultos, empresários, industriais, vendedores, marqueteiros, etc. Um dos pontos dessa busca maior pela mudança de hábitos em benefício do meio ambiente é justamente o grande calcanhar de Aquiles da questão ambiental: o consumo sem limites.
O Brasil está em primeiro lugar entres os países emergentes que mais geram resíduos sólidos provenientes de aparelhos eletrônicos usados, como computadores, celulares, tevês de alta definição, notebooks, smartphones, aparelhos de mp3, impressoras, escâneres e todo o tipo de acessórios que estão presentes no modo de vida contemporâneo.


De acordo com o relatório “Recycling – From E-waste to Resources”, lançado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEP, United Nations Environment Programme), o Brasil produz 0.5 kg per capita/ano (cerca de 95 mil toneladas), seguido bem de perto por México e China (ambos com 0.4 kg per capita/ano). Em termos globais, a sociedade humana está produzindo nada menos que 50 milhões de toneladas de “e-lixo” anuais. Só a União Europeia é responsável por 9 milhões de toneladas! Mas será que todos esses resíduos eletrônicos estão sendo gerados apenas pelo fato de que os aparelhos já esgotaram suas capacidades de utilização?

segunda-feira, 13 de junho de 2011

AGRICULTORES AMEAÇADOS DE MORTE NO TOCANTINS

CARTA DOS BISPOS DO TOCANTINS


Enquanto nosso país se depara com uma onda estarrecedora de matanças dirigidas contra camponeses e ambientalistas em luta pela partilha da terra e pela preservação da floresta, aqui no Tocantins, no interior do município de Palmeirante (400 km norte de Palmas), presenciamos mais e mais violências e ameaças dirigidas contra grupos de agricultores acampados e assentados. Já em outubro passado, este município, onde terras da União vêm sendo cobiçadas por plantadores de soja, havia sido palco do assassinato brutal do agricultor Gabriel Vicente de Souza Filho, nas imediações do Acampamento Bom Jesus.

Segundo fatos recentes apurados pela Comissão Pastoral da Terra, que tem acompanhado esses grupos nos últimos anos, tendo inclusive e constantemente levado essa situação ao conhecimento das autoridades, o conflito que se instaurou no Assentamento Santo Antônio ­Bom Sossego remete ao ano 2003 quando, na criação do assentamento, 10 lotes do Programa Nacional de Reforma Agrária foram desviados da sua destinação em benefício de 3 fazendeiros, com a culposa anuência verbal de funcionários do INCRA. De lá para cá, na tentativa de reaver os lotes assim grilados e barrar a retirada de madeira da reserva legal do assentamento, 10 famílias, regularmente cadastradas pelo INCRA, têm feito gestões junto às autoridades (Ministério Público Federal, INCRA e Ouvidoria Nacional, Naturatins) e, enquanto não se resolve o impasse, ocupam parte da área em litígio. Elas contam com o apoio de outras 19 famílias acampadas por perto, no Acampamento Vitória.

De forma repetida :outubro e dezembro de 2010, abril e maio de 2011 e, de novo, neste início de junho um grupo de 8 pistoleiros armados, a serviço dos grileiros e madeireiros instalados na região, tem espalhado o terror entre essas famílias, dentro do assentamento e dentro do acampamento: incêndio de barracos, tiroteios noturnos, pessoas estranhas perambulando à noite com lanternas, ameaças de morte. Acionada, a Polícia Militar de Colinas - TO foi até o local e encontrou evidências de tiroteio nas proximidades do acampamento.

Informações recentes dão conta de que os pistoleiros estariam planejando a morte de 5 pessoas entre acampados e assentados[1].

Apegados na promessa do Deus da Vida, nós bispos, informados da realidade desta dramática situação, cientes do descaso das autoridades que tornaram possível tal conflito, vimos manifestar nossa solidariedade com as famílias injustamente perseguidas. Afirmamos que são elas as legítimas destinatárias do Programa de assentamento. Apoiamos sua determinação em defender seus recursos naturais e florestais contra a cobiça da grilagem. Parabenizamos o evangélico serviço pastoral prestado às famílias pelos agentes da CPT, eles também em situação de risco.

Confiantes na primazia da justiça e do direito, denunciamos a omissão das autoridades responsáveis: que sejam prontamente apuradas as atividades criminosas e incriminados seus perpetradores e instigadores; que seja imediatamente realizada a desintrusão dos grileiros instalados na área; que seja imediatamente efetivada a regularização do projeto de Assentamento Santo Antônio e que nele as famílias possam encontrar de fato o bom sossego.

Rezamos ao Deus da Vida, Deus de Jesus Cristo e Pai dos pobres, para que a terra que dEle recebemos torne-se realmente terra de irmãos.

Assinam os bispos do Estado do Tocantins / Província Eclesiástica de Palmas

Diocese de Tocantinópolis - Dom Giovane Pereira de Melo

Arquidiocese de Palmas - Dom Pedro Brito Guimarães

Diocese de Miracema - Dom Philip Dickmans

Prelazia de Cristalândia - Dom Rodolfo Luís Weber

Diocese de Porto Nacional - Dom Romualdo Matias Kujawski

Palmas - TO, 9 de junho de 2011, 25 anos do assassinato do Pe. Josimo Tavares, mártir da luta pela terra.

Oficina online de "Agroecologia"

Agroecologia e os benefícios para as comunidades e preservação do meio ambiente, sua importância para a recuperação de áreas degradadas e no enfrentamento dos efeitos das mudanças climáticas. Estas e outras questões serão discutidas nas duas edições da oficina online "Agroecologia", que acontecem, respectivamente, entre 27 de junho e 1º de julho, e 4 e 8 de julho.

A oficina terá como facilitador Joseilton Evangelista, técnico agrícola, graduando em Sociologia Rural, pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) e coordenador de Comunicação e Mobilização de Recursos da ONG Diaconia. 
treinamentogrupos@gmail.com.


As inscrições para a oficina podem ser feitas de 6 a 10 de junho. Para participar basta preencher o formulário abaixo e enviá-lo pelo e-mail 


É preciso também estar cadastrado no site. O processo é simples e rápido. Basta acessar (www.mobilizadores.org.br) e clicar em "Inscreva-se". Os 100 primeiros inscritos participarão automaticamente da primeira edição da oficina; os demais, até o limite de 100, da segunda.  

Projeto Memórias do Rio Cachoeira

foto Victor Aziz
 A poesia grapiúna, a sonoridade da Banda Manzuá e o audiovisual. Essas são as três linguagens por meio das quais o projeto Memórias do Rio Cachoeira (MRC) visa resgatar a memória cultural da cidade de Itabuna (sul da Bahia), especialmente a sua relação com o Rio Cachoeira.
O Projeto inclui a gravação de um CD com poemas de autores grapiunas musicados pela Banda Manzuá e a produção de de um documentário sobre aspectos da história do Rio Cachoeira e a sua relação com a história de Itabuna.

Gostaria de contribuir com o projeto através de depoimento ou acervo pessoal ?
Acesse o blog oficial e saiba como.

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Atores gravam video em apoio aos bombeiros #riovermelho

Belo Monte: não é tarde demais !

Grupo protesta contra Belo Monte e o Código Florestal em SP


 

Foto: AE
Manifestantes protestaram na Avenida Paulista contra a Usina de Belo Monte e o novo Código Floresta

Cerca de 300 pessoas saíram em passeata na tarde deste domingo (5), na Avenida Paulista, para protestar contra a aprovação do novo Código Florestal pela Câmara dos Deputados e também para pedir que o governo revogue a decisão de construir a Usina Hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu (PA).
Antes de iniciar a marcha, os manifestantes se concentraram no vão livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp), agitando cartazes e fazendo muito barulho com o uso de apitos.
O ato provocou a interdição parcial da Avenida Paulista, que é uma das mais movimentadas, principalmente aos domingos, por causa dos vários atrativos culturais e de entretenimento da região, como restaurantes, cinemas, teatro, feira de antiguidades, além de reunir hospitais.
Paulo Fradinho, ativista do Movimento Pró-animais, justificou o ato dizendo que “todos os ruralistas e pecuaristas que desmataram ilegalmente estão próximos de conseguir o perdão de suas dívidas e vão continuar desmatando indiscriminadamente”.
Sobre o projeto de construção da Usina de Belo Monte, ele justificou ser contrário alegando que “a usina não vai gerar o nível de energia a que se propõe. Além de ser deficitária, irá causar danos como a perda de milhares de espécies animais com a inundação”.

MPF entra com 11ª ação contra Belo Monte


Nova ação na Justiça Federal, a 11ª sobre Belo Monte, questiona o Ibama por conceder Licença de Instalação sem exigir ações prévias. 40% não foram cumpridas e há risco de caos social 

O Ministério Público Federal ajuizou hoje a 11ª ação civil pública por problemas no licenciamento de Belo Monte. O processo pede a suspensão da Licença de Instalação concedida para o início das obras e aponta o descumprimento das condições prévias exigidas para preparar a região para os impactos. Segundo parecer técnico do próprio Ibama sobre as obras preparatórias, 40% das condicionantes não foram cumpridas pela Norte Energia S.A.

O parecer do Ibama demonstra, em 250 páginas, que as condicionantes de saúde, educação, saneamento, levantamentos das famílias atingidas e navegabilidade não foram cumpridas pelo empreendedor. Mais grave: o relatório aponta que o empreendedor informou várias obras para saúde e educação que a vistoria dos técnicos no início de maio constatou simplesmente não existirem.

A falsidade nas informações apresentadas ao Ibama foi até objeto de notificação à Nesa. No Ofício 477/2011 o Coordenador Geral de Infraestrutura de Energia Elétrica e a Diretora de Licenciamento Ambiental notificam e destacam o contido no artigo 69-A da Lei 9.605/98 que trata, em síntese, de conduta criminosa de apresentar, no licenciamento ambiental, estudo, laudo ou relatório ambiental total ou parcialmente falso ou enganoso.

Mas o Ibama concedeu a licença mesmo assim, criando conceitos inexistentes na lei ambiental: condições “em cumprimento” ou “parcialmente atendidas”. A Norte Energia não iniciou, por exemplo, as obras de saneamento na região onde ficarão os canteiros da obra, mas apresentou um projeto para concluí-las em março de 2012. Em vez de considerar a condicionante não atendida, o Ibama considerou que está “em cumprimento”.

O mesmo conceito foi aplicado para outra condicionante que o MPF considera fundamental, a que previa implantação de saneamento para controle da qualidade da água na cidade de Altamira. De acordo com o parecer técnico do Ibama, a condicionante só estará cumprida em 2014 e, por causa desse atraso, haverá contaminação e eutrofização – apodrecimento – das águas dos igarapés que banham a cidade. Ainda assim, a condicionante foi considerada parcialmente atendida.

“A criação de conceitos tão flexíveis e elásticos para questões tão graves serve ao interesse apenas da NESA, que naturalmente busca apressar o início das obras sem precisar despender tantos recursos em ações preparatórias. Mas não serve em absoluto ao interesse da sociedade amazônica e brasileira, que esperavam ver um licenciamento rigoroso e exemplar para a obra que vai consumir o maior volume de recursos públicos dos últimos 30 anos”, diz o MPF na ação.

A ação cita um documento do Ibama, produzido em 2010 em resposta justamente a uma ação civil pública do MPF. Na época, o órgão disse à Justiça Federal: “Ocorre que o investimento em infraestrutura, em resposta aos argumentos do Ministério Público Federal no estado do Pará, irá sim atender a população previamente à construção da usina, conforme previsto na Licença Prévia, e em caráter absolutamente novo para o licenciamento ambiental”

O documento prossegue: “estas medidas de infraestrutura são expressas como medidas antecipatórias, que determinam que o empreendedor será responsável pelo investimento nesta infraestrutura mesmo antes da emissão da licença de instalação, que permite o início das obras. O investimento se dará em relocação e readequação urbana, com a construção de moradias adequadas, de alvenaria, com sistema de drenagem pluvial, esgotamento sanitário e vias pavimentadas, em total oposição ao que ocorre agora. Isto é condicionante da licença prévia e caso o empreendedor não cumpra o Ibama tem a prerrogativa de cancelar a licença, antes mesmo de se iniciarem as obras da usina”.

Para o MPF, ao não cumprir suas próprias exigências para Belo Monte, o Ibama atingiu o “limite da irresponsabilidade”. Eles citam os dados da região de Rondônia onde o Ibama também usou conceitos elásticos para permitir a instalação das usinas de Jirau e Santo Antônio: “além das violações trabalhistas que culminaram com a explosão do canteiro de obras de Jirau em março de 2011, em Porto Velho o índice de migração foi 22% maior que o previsto, os casos de estupro aumentaram em 208% e quase 200 crianças permanecem fora da escola apenas em uma das vilas”.

A situação em Altamira deverá ser ainda mais grave do que em Rondônia, por se tratar de região que registra conflitos fundiários e agrários há muitos anos. E por ser intensamente habitada por povos indígenas. As condicionantes relativas aos índios, que estavam previstas para serem cumpridas antes da Licença de Instalação, de acordo com um documento assinado pelo presidente da Funai, só serão cumpridas agora antes da Licença de Operação.

Para o MPF, tanto a Funai quanto o Ibama, que deveriam fiscalizar o cumprimento das condições impostas como prévias ao início da obra, preferiram facilitar a vida do empreendedor e adiar para a fase posterior as exigências que eram anteriores. “Se as ações preparatórias que eram obrigatórias na fase de Licença Prévia não foram exigidas, como acreditar que serão exigidas na fase de Instalação? Como acreditar no rigor do Ibama, se o Ibama jamais começa a mostrar rigor com o empreendedor?”, pergunta a ação judicial.

O processo tramita na 9ª Vara da Justiça Federal em Belém com o número 18026-35.2011.4.01.3900

Para acompanhar o processo:CONSULTA AO PROCESSO


Fonte: MPF - Ministério Público Federal

quinta-feira, 9 de junho de 2011

O cântico da terra



Cora Coralina

Eu sou a terra, eu sou a vida.
Do meu barro primeiro veio o homem.
De mim veio a mulher e veio o amor.
Veio a árvore, veio a fonte.
Vem o fruto e vem a flor.

Eu sou a fonte original de toda vida.
Sou o chão que se prende à tua casa.
Sou a telha da coberta de teu lar.
A mina constante de teu poço.
Sou a espiga generosa de teu gado
e certeza tranqüila ao teu esforço.

Sou a razão de tua vida.
De mim vieste pela mão do Criador,
e a mim tu voltarás no fim da lida.
Só em mim acharás descanso e Paz.

Eu sou a grande Mãe Universal.
Tua filha, tua noiva e desposada.
A mulher e o ventre que fecundas.
Sou a gleba, a gestação, eu sou o amor.

A ti, ó lavrador, tudo quanto é meu.
Teu arado, tua foice, teu machado.
O berço pequenino de teu filho.
O algodão de tua veste
e o pão de tua casa.

E um dia bem distante
a mim tu voltarás.
E no canteiro materno de meu seio
tranqüilo dormirás.

Plantemos a roça.
Lavremos a gleba.
Cuidemos do ninho,
do gado e da tulha.
Fartura teremos
e donos de sítio
felizes seremos.

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Quino, e a educação do nosso século:

Quino, o cartunista argentino autor da Mafalda, desiludido com o rumo deste século no que diz respeito a valores e educação, deixou impresso no cartum o seu sentimento:










A genialidade do artista faz uma das melhores críticas sobre a criação de filhos (e educação) nos tempos atuais.

Uma linda Homenagem da Carol Ranciaro ao querido Padre José

Fiquei muito emocionada ao receber o e-mail da Carolina Ranciaro, filha dos meus amigos Zé da Baiana e Baiana, fundadores e dirigentes do Espaço Cultural da Paz em Teixeira de Freitas-BA, que publico na íntegra em nosso Blog: À ESTRELA GUIA.


“(…) Não existe um homem branco que seja mais índio, que seja mais negro do que este. Assim como também não existe quele que cuide tanto do próximo, seja qualquer criança, jovem ou adulto, que seja excluído, perseguido. … E todos faremos justiça ao seu legado. Tudo o que você nos deixa, nós continuaremos!” 


Sim Carol, entre tantas homenagens ao Padre José,  foi a tua que melhor traduziu a essência desse GRANDE SER HUMANO. Uma linda carta de amor !


Nunca morre o homem que deixa seu legado de luta por um  planeta harmônico para todos os seres, por uma sociedade mais digna e justa e pelo ser humano livre, consciente e em paz.


É com muita gratidão que me despeço: Obrigada Padre José por tantas vezes ter me estendido a mão, me apontado caminhos sempre de forma carinhosa e serena.


Regina Florêncio
Coordenadora de comunicação da OCA

À ESTRELA GUIA


Queria eu ter vindo coberta das mais belas flores, sob os mais belos pássaros e trazer as palavras mais bem ditas.
Porém o que posso fazer é falar o que vem do coração.pois se eu soubesse como falar com as flores, com os pássaros, com os rios e mares, teria lhes dito o que aconteceu e imediatamente todos os animais correriam; os rios mudariam os seus cursos; as árvores mais antigas arrancariam do solo suas raízes e viriam todos ao seu encontro. Então sussurrariam nos teus ouvidos:
          _ muito obrigada! Mas você ainda merece mais, esta não é a sua hora!
Mas somente aquele que entende, defende, protege e compreende essa linguagem pura da natureza é você padre josé koopmans.
E o que posso fazer, é agradecer a sua existência na vida de tantas pessoas.
Não existe um homem branco que seja mais índio, que seja mais negro do que este.assim como também não existe aquele que cuide tanto do próximo seja qualquer criança, jovem ou adulto, que é excluído, perseguido.
Acredito que todos se identificam no momento em que digo:
         _ o conheço desde pequena, ele sempre nos ajudou a vida inteira sem pedir nada em troca!
         _é um exemplo de coragem, de justiça, humanidade. O revolucionário mais sublime, pois suas únicas armas são a palavra e o coração.
É mais do que um padre, um amigo, um irmão, um companheio de lutas, um ser tão especial que dedicou a vida inteira a que? A quem? Se não a natureza e ao bem das pessoas sejam essas quem forem. É também um excluído, foi perseguido ainda a pouco.
Mas é ainda muito mais amado!
Eu disse aos meus pais que além deles a única pessoa que eu precisava que também sentisse orgulho de mim, fosse ele.pois a nível de consciência de mundo acredito que ele é o que mais compreenderia os meus desejos de realizações.
Por isso é que peço a todos para que digam aqueles que amam o quanto eles são importantes, o quanto vocês os admiram, pois um dia senhoras e senhores, a vida os leva sem nem pedir licença.
Desde pequena o sr. Padre josé koopmans entra a minha casa anunciando a sua chegada assoviando:
        _ fu fu fiii f
iiuu
como quem diz: 
          _ô de caa  s
áá
prometo sempre assoviar para você!
E todos faremos justiça ao seu legado, tudo o que você nos deixa, nós continuaremos!
Srs. Falo do padre josé em tempo presente, porque assim como eu acredito que é para vocês, para mim ele não se foi. Mas permanece eterno e presente no meu coração.

Vivas ao padre josé! Fu fu fii f
iiuu


com amor, 
carolina ranciaro 

04 DE JUNHO DE 2011

MORRE PADRE JOSÉ KOOPMANS


Faleceu na última sexta-feira, dia 03/06 o Padre José Koopmans. Ele sofreu um infarto fulminante enquanto fazia a sua caminhada diária, em Teixeira de Freitas-BA.
Defensor dos Direitos Humanos, do Meio Ambiente da Cultura Popular, Padre José deixou um exemplo de luta, de solidariedade ao oprimido e amor à mãe terra.   
   

sábado, 4 de junho de 2011

Agroecologia: Matriz disciplinar ou novo paradigma para o desenvolvimento rural sustentável

Confira este excelente artigo que aborda a Agroecologia  como uma ciência que pretende contribuir para o manejo e desenho
de agroecossistemas sustentáveis, em perspectiva de análise multidimensional (econômica, social,
ambiental, cultural, política e ética)

sexta-feira, 3 de junho de 2011

ALÔ CURUMINS !

Video bem legal, pena que é em inglês !


Garotada, acessem os sites ECO KIDS e CRIANÇA ECOLÓGICA são muito legais ! 
É só clicar nos banners em nosso Blog !

IV ESTÁGIO INTERDISCIPLINAR DE VIVÊNCIA EM ÁREAS DE REFORMA AGRÁRIA

O EIV é uma experiência de formação política envolvendo estudantes, militantes e trabalhadores(as) do MST, compreendendo estudo, vivência e intervenções problematizadoras com a comunidade. Trata-se de entender a luta de classes se inserindo nela numa perspectiva transformadora.



Veja outros vídeos do projeto em nosso canal do youtube: OCAMATAATLANTICA

Trabalho em Etnobotânica: Troca de saberes na Agroecologia

Opinião Agroecológica:


Por Alexandre Aboud Pontvianne
O Trabalho em Etnobotânica tem que ser elaborado com serenidade tendo em mente o seu propósito. Em se tratanto da riqueza e da infinidade de conhecimentos que estão sendo perdidos por conta do estilo de vida do homem moderno e que tem sido resgatado pelo trabalho de alguns, constata-se a necessidade de mudança nesse modo de vida.
A relação da humanidade com as plantas precisa ser repensada e passada adiante para que seus verdadeiros valores sejam igualmente respeitados. Em minha opinião, o trabalho tem que ser encarado de forma interativa e participativa, tendo sempre em mente a visão do ambiente como um todo. A Busca pelo novo tem que nos dar a sensação de que essa busca é para o bem comum e não para o benefício dos poucos donos das indústrias que dominam o mundo.
      Em primeiro lugar, precisa-se definir o objeto de estudo e a perspectiva do pesquisador, qual a intenção e para quem será feita a pesquisa, qual área será estudada, além de assumir a forma de intervenção no ambiente. Com relação às pessoas, determinar quantas serão entrevistadas e quem entrevistar, buscando sempre que possível participantes chave.
     No geral o que me chama mais a atenção é o aprendizado que podemos buscar e construir com o conhecimento popular. A relação com os participantes deve buscar sempre a objetividade sem intervir de forma a prejudicar o ambiente local e o trabalho das pessoas.
O mais importante é ser mais um ouvinte, um observador dos nossos professores da agricultura, os agricultores e agricultoras.


Capes aprova criação de mestrado em Agroecologia na UFV


Durante a 125ª Reunião do Conselho Técnico-Científico da Educação Superior, realizada no final da semana passada, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) aprovou a proposta de criação do mestrado em Agroecologia na UFV.
O mestrado em Agroecologia é uma proposição interdepartamental, que conta com a participação de docentes dos Departamentos de Fitotecnia, Nutrição e Saúde, Solos e Zootecnia. As linhas de pesquisa do novo curso são: Manejo de Agroecossistemas Tropicais, Sistemas Agroalimentares de Agricultores Familiares e Recursos em Agroecossistemas e Entorno. O processo seletivo para o novo Curso será divulgado posteriormente.

O Projeto de Agricultura Urbana Semeando a Esperança


O Projeto de Agricultura Urbana Semeando Esperança foi construído a partir de uma parceria entre a OCA – Centro de Agroecologia e Educação da Mata Atlântica e o PréAfro – Curso Pré Universitário para Afro Descendentes, tendo como local de atuação os bairros periféricos Maria Pinheiro e Pedro Jerônimo, localizados no município de Itabuna-BA

Projeto de Agricultura Urbana no Maria Pinheiro e Pedro Jerônimo
A metodologia utilizada foi baseada nas idéias de Paulo Freire com respeito à participação e a construção do conhecimento, buscando sempre garantir o acesso às informações por parte dos participantes e, criar um espaço de discussão onde todos pudessem se manifestar e contribuir com suas idéias para o desenvolvimento do projeto


Reunião Ampliada da Associação de Moradores, Março de 2008
O projeto em questão apresenta dois eixos de atuação, sendo eles: a organização da comunidade e a sistematização dos quintais agroecológicos. O primeiro eixo será trabalhado através da criação da Rede de Ação Local - RAL e o segundo através da implantação das experiências dos quintais para produção de alimentos e plantas medicinais de forma agroecológica.

Reuniões de construção coletiva do Projeto de Agricultura Urbana Semeando Esperança


Reuniões com representantes da comunidade para apresentar proposta do Projeto de Agricultura Urbana 
Semeando Esperança

Reunião com Cursinho Pré Afro para apresentação da proposta, como encaminhamento da reunião com EncantarteCriação da Coordenação do Projeto para planejar a reunião com comunidade

O CINECLUBE MOCAMBA:




Como parte do Programa de Cultura e Arte Educação a OCA desenvolve a Mostra Itinerante de Cinema Cultural e Ambiental da Bahia – MOCAMBA. 

O objetivo geral do projeto é trabalhar a questão da educação ambiental por meio da mostra de vídeos, que contribuam para uma maior reflexão sobre os impactos da civilização atual sobre o ambiente, proporcionando espaços de discussão a respeito do fortalecimento da consciência ecológica e da participação cidadã.

O público alvo são estudantes e camponeses das comunidades rurais e das cidades da região. A proposta consiste na realização de uma mostra de vídeos em diferentes cidades, articulados em parcerias com escolas municipais e organizações comunitárias. No momento o projeto vem sendo realizado de forma esporádica e voluntária, através de apresentações de vídeos em algumas comunidades rurais e escolas.

Apresentação de vídeos da MOCAMBA em Trancoso - Porto Seguro, Jun. de 2009.